quinta-feira, fevereiro 24, 2005

Isto é um aviso à navegaçao: se tiverem tres anos de tempo livre, que tenham de passar na America do Sul, nao vao ao Uruguai, ou, pelo menos, a Montevideu.
Como me disse um tuga com que nos cruzámos nesta viagem (nao se espantem, somos mais que as maes), o Uruguai é a Bélgica da América do Sul. E o gajo tinha toda a razao. Senao, vejamos:
- sao um Estado tampao entre a Argentina e o Brasil, criado depois das independencia destes dois. Ou seja, sao um Estado com razoes de autonomia artificiais, endogenas: existe porque da jeito que exista;
-sao um exemplo de estabilidade e desenvolvimento, com uma democracia estável (cederam pela primeira vez aos socialistas em 147 anos ha 2 meses) e os melhores índices de segurança da América Latina;
- sao totalmente planos;
- sao chatos pra caraças, sem dúvidas os mais antipáticos e metidos consigo mesmo: nao saiem a noite, nao falam com ninguém;
- Montevideu, como Bruxelas, tem um centro com um mínimo de interesse, e o resto é totalmente insignificante.
Dito isto, poderá parecer que nao gosto da Bélgica. Bom, é verdade, nao gosto. Mas até gostei de Colónia, que é do outro lado do rio de Buenos Aires (60 km, num dos pontos mais estreitos do estuário...), que é património da humanidade por ser (um pouco de chauvinismo) um dos únicos representantes intactos de uma cidade colonial portuguesa (ah pois, que aquela mersa era nossa).
PS: Esta tem destinatário específico: isto tudo é verdade, mas se for pra conhecer o Fidel, vale a pena. Por supuesto. E as praias nao sao más. Parecem Carcavelos sem ondas, todas elas.

1 comentário:

Mariana disse...

Optei por nem sequer contar as tuas impressões sobre Montevideu, para não desanimar. Mas posso sempre falar no Fidel.